Prefeitos e Vereadores da região farão o que pela classe empresarial e autônomos?

Prefeitos e Vereadores da região farão o que pela classe empresarial e autônomos?

Desde o mês de fevereiro, as medidas restritivas em virtude da alta nos casos de pessoas infectadas pelo novo coronavírus têm causado um impacto terrível nas empresas dos diversos segmentos. Na indústria por exemplo, a Volkswagen já anunciou que vai parar a produção, por falta de incentivos fiscais a Ford deixará suas três plantas de montagem no país, nestes casos estamos nos referindo a grandes grupos empresariais que tem aporte financeiro, mas a consequência está nas milhares de famílias que necessitam da geração de emprego destas empresas. Embora as grandes indústrias façam uma diferença no PIB da união, dos estados e municípios, é justamente no menor ente federativo (municípios) que a vida de fato acontece, pois é na cidade que vivemos, que vamos no supermercado, na padaria, é na cidade que gastamos nosso salário, estado e união são muito mais institucionais.

Os pequenos comerciantes, microempreendedores individuais, autônomos sofrem fazem manifestações, mas enquanto não houver nenhum tipo de contrapartida das prefeituras, as iniciativas de lockdown, toque de recolher, serão apenas um chicote no lombo de quem não cometeu mal algum. Enquanto isso continua a superlotação nas agências bancárias, e pior, os bancos em nada contribuem, pergunte aí na sua cidade quantos leitos de UTI ou investimentos em saúde foram proporcionados pelos bancos, simplesmente nada. As Prefeituras têm de fato fiscalizado os comércios? As vigilâncias sanitária e epidemiológica têm realmente cumprido seu papel? Sabe o que falta? Falta um entendimento muito mais profundo.

Vem aí a Semana Santa, tem que suspender transporte intermunicipal sim, pelo menos no período da quarta à segunda feira, pois quem viajará neste período não será por necessidade. Já passou da hora do estado construir junto com os municípios planos de ação para o comércio, estratégias de abertura por sazonalidade no horário de acordo segmento. O setor que mais tem sofrido é o de alimentação, principalmente os trabalhadores noturnos. Os restaurantes têm sido o nicho que melhor tem se comportado na pandemia, respeitando protocolos e investido em prevenção, porém muitos clandestinos também estão atuando neste período.

Atenção senhores vereadores e prefeitos, é injusto cobrar alvará em um período de temor como este que estamos vivenciando, será no mínimo decente se tiverem a capacidade de retrair a alíquota de ISS, seria coerente por parte do governo estadual a diminuição no ICMS, afinal quando vem uma empresa de fora , de outro estado estes recebem os maiores incentivos fiscais, mas as padarias, restaurantes e lanchonetes da nossa região não recebem nenhum desconto fiscal. Cobrar IPTU das empresas este ano será simplesmente um cinismo sem tamanho, o mais engraçado é, a cada ano as previsões orçamentárias aumentam, e os investimentos para a população diminuem na mesma proporção, por certo que no fim da história será, cadê o doce que estava aqui? o gato comeu!

Portanto na hora que chegar uma nova empresa em sua cidade, perceba se não tem outra onde o dono more na cidade e gaste na cidade, lute para que as empresas da sua cidade tenham as mesmas regalias tributárias, ainda mais se o potencial na geração de emprego for o mesmo, senão daqui a pouco chegará a grande rede de restaurante, a grande rede de panificação, a grande rede de lanchonetes, trazendo apenas o glamour da marca, gerando bem menos emprego, e você pagando a conta, então está na hora sim, de baixar alíquotas, prorrogar impostos, anistiar IPTU das empresas, incentivar quem já está, pois o problema só está aumentando e se não abrir o olho os pequenos empresários vão falir, mas é o grande número de pequenos empresários, que mais gera emprego e renda nos municípios. E tenho dito!

INFORMA SERTÃO/ Clayton Luz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *