Polêmica: “A cada 10 pessoas intubadas, 08 morrem na UTI”

Polêmica: “A cada 10 pessoas intubadas, 08 morrem na UTI”

O Jornal O Globo da última segunda-feira (29), trouxe uma reportagem que alerta a respeito do alto índice de mortalidade dos pacientes de COVID-19, que necessitam passar pelo procedimento de intubação. Em levantamento realizado pelo Ministério da Saúde, USP e Fiocruz entre novembro de 2020 e março de 2021, o estudo aponta que a cada 10 pessoas intubadas, 08 morreram na UTI. A matéria relata ainda que a cada 10 óbitos, 04 são de pessoas que nem chegaram a estar em uma Unidade de Terapia Intensiva. Um outro levantamento em 15 de novembro mostrava que o Brasil, México, Itália, Alemanha e Reino Unido, são os países com maiores percentuais de falecimentos de pessoas intubadas.

Segundo especialistas, o número elevado se dá pela falta de profissionais treinados, além de problemas de gestão, sem contar o longo prazo de espera por leitos nos hospitais. Para Luciano Azevedo professor de medicina da USP, os fatores que colaboram para esta situação se pela ausência de vagas hospitalares, o controle inadequado de comorbidades como é o caso dos diabéticos, e adicionando a isso, o atraso na ida às emergências por parte de pacientes que acham ter o poder de resolver as situações em casa.

Com relação às mortes, Azevedo alerta que uma pessoa na UTI precisa de acompanhamento de uma equipe multidisciplinar, com profissionais que tenham experiência em terapia intensiva, ele ainda explica que tem ocorrido intubações que lesionam a traqueia do paciente e cateteres que acertam vasos causando hemorragias, além de pneumonias associadas ao uso de respirador ou infecção causada por sonda urinária. Outro ponto destacado é com relação à sepse, inflamação generalizada causada por infecções e que leva o paciente à falência múltipla dos órgãos.

O Ministério da Saúde não respondeu sobre a alta letalidade hospitalar do país.

INFORMA SERTÃO/ Adaptação: Clayton Luz
Fonte: O Globo
Supervisão: Tiago Dantas
Foto: João Pedro Pitombo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *