Política: PSL Baiano deverá ganhar força para 2022 com as possíveis migrações de Zé Ronaldo e Elmar Nascimento

Política: PSL Baiano deverá ganhar força para 2022 com as possíveis migrações  de Zé Ronaldo e Elmar Nascimento

Enquanto os municípios ainda vivem o princípio das gestões municipais, na política estadual e federal já começou o diálogo sobre as eleições 2022. Até o dia 02 de Abril do ano que vem os partidos precisam estar arrumados, com time escalado, de sorte que os próximos 12 meses serão cruciais para os propensos candidatos, portanto, é natural que neste período as conversas sejam exaustivas e a estratégia de bastidores seja de forma meticulosa.

Embora ainda negue, ACM Neto deverá ser o candidato de oposição na Bahia, justamente quando completará 16 anos de administrações petistas, período igual ao do carlismo em sua última passagem pelo poder do Palácio de Ondina.
Para que Neto chegue com musculatura política precisará ter uma base aliada sólida e confiável, com nomes testados e aprovados pela sociedade, que tenham por alicerce a prestação de serviços, como é o caso do deputado federal Elmar Nascimento, e do ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo.


Foto: Alexandre Galvão – Metropress/ Zé Ronaldo foi candidato a governador em 2018

Especula-se que ambos estariam de malas prontas rumo ao PSL, partido pelo qual foi eleito o presidente da república Jair Bolsonaro, a sigla pretende ampliar sua quantidade de cadeiras na Câmara dos Deputados, e ver em Nascimento um grande puxador de votos, além de ter aliados em diversas partes do interior, a exemplo de Jacobina, onde há possibilidade de Luciano da Locar voltar à cena política como candidato a deputado estadual, este seria um nome que passaria por este processo de migração partidária. Caso estes rumores tornem-se verdade, o Prefeito de Campo Formoso, Elmo Nascimento deverá tomar o mesmo caminho que seu irmão.
Já no caso de Zé Ronaldo, o ex-gestor do segundo maior município da Bahia deverá concorrer à uma vaga para o Senado Federal, colocando a agremiação em um patamar de destaque na chapa majoritária.


Foto:Câmara dos Deputados

Estas ações podem gerar um crescimento do partido no plano estadual, contudo existem arestas a serem aparadas, devido a certos desconfortos como foram os casos de Jacobina, onde houve uma alteração na comissão provisória às vésperas das convenções municipais e um imbróglio ainda maior em Feira, quando no segundo turno das eleições a deputada federal Dayane Pimentel, derrotada nas eleições em 1º Turno na disputa municipal, declarou de público que não votaria em Colbert Martins, apoiado por Ronaldo, dando a entender que apoiaria Zé Neto, candidato do PT.

O tabuleiro vai sendo montado, as peças vão buscando seus lugares, mas o xeque-mate ainda está longe. Daqui pra lá tem muita chuva, se as gotas caírem no rio, muita água passará embaixo da ponte.

INFORMA SERTÃO/ Clayton Luz

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *